01 faveiro site

Instituto Terra Brasilis inicia estudos para a conservação do Faveiro de Wilson (Dimorphandra wilsonii) com apoio do Fundo Mohamed Bin Zayed para Conservação de Espécies

O Instituto Terra Brasilis foi selecionado pelo ‘Fundo Mohamed bin Zayed para Conservação de Espécies’, sediado em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos (http://www.speciesconservation.org/), para receber um apoio financeiro para o estudo sobre a população remanescente do faveiro-de-wilson (Dimorphandra wilsonii), uma árvore endêmica da região central de Minas Gerais, considerada criticamente em perigo de extinção.

Este projeto aprovado tem como objetivo a obtenção de informações detalhadas sobre a condição atual da população remanescente, de forma a subsidiar os esforços de conservação e monitoramento do faveiro-de-wilson, estando integrado aos esforços da Fundação Zoobotânica de Belo Horizonte – FZB-BH para salvar essa espécie da extinção, e faz parte do conjunto de ações prioritárias estabelecidas no Plano de Ação Nacional do faveiro-de-wilson (clique aqui para ter acesso ao livro na Ecoteca Digital).

O trabalho será desenvolvido em parceria com a Fundação Zoobotânica de Belo Horizonte – FZB-BH, com o Centro Nacional de Conservação da Flora – CNCFlora / Jardim Botânico do Rio de Janeiro – JBRJ e a Associação Amigos da Serra do Elefante – AASE, baseada em Mateus Leme, MG.

O faveiro-de-wilson é uma árvore belíssima, que chega a passar dos 17 m de altura. Endêmica de Minas Gerais e associada a áreas originalmente cobertas pelo Cerrado e pela Floresta Estacional Semidecidual, a ocorrência da espécie está atualmente restrita a pouco mais de 270 km2 da região central do estado – incluindo partes da Região Metropolitana de Belo Horizonte - num polígono delimitado pelos municípios de Paraopeba (norte), Juatuba (sul), Lagoa Santa (leste) e Nova Serrana (oeste). Nessa área, sob forte impacto da expansão urbana, da pecuária e das queimadas, restam pouco mais de 300 indivíduos do faveiro-de-wilson, juntando-se jovens e adultos - nenhum deles ocorre em unidades de conservação de proteção integral.